Produtividade e Ética na prática da Fisioterapia

Publicado por Heric Lopes em

O comportamento ético do fisioterapeuta é algo pouco debatido (ou evitado) dentro da profissão. Nesse artigo interessante publicado na Archives of Rehabilitation Research and Clinical Translation, os autores questionam se o modelo de negócio (business model) baseado em produtividade está associado à comportamentos anti-éticos em Fisioterapia.

“Os objetivos do presente estudo são fornecer dados preliminares sobre a prevalência e as características das metas de produtividade na prática da fisioterapia, e identificar suas relações com o comportamento clínico.”

Tammany et al. (2019)

A ciência comportamental demonstra que a percepção e a resolução de conflitos éticos são influenciados por fatores individuais, sociais, organizacionais, culturais e religiosos (Tammany et al, 2019).

Decisões éticas são necessárias quando há potencial detrimento ao indivíduo ou ao sistema de saúde, ou quando normas éticas ou leis podem ser quebradas (Hammeker & Knadig, 2017).

Molinsky & Margoli (2005) apresentaram o conceito de “mal necessário“, onde normas éticas são sacrificadas por aquilo que o individuo considera ser uma causa mais importante. Esse desengajamento moral está significativamente relacionado à tendencia de tomar decisões anti-éticas.

Esse comportamento vem sendo observado em vários segmentos onde organizações promovem metas de produtividade.

Historicamente, estudos sobre a ética em reabilitação ignoram problemas relacionados aos fatores econômicos do modelo de negócio, como fraudes em cobranças e o uso abusivo de serviços.

“A maior proporção de conflitos éticos em reabilitação originam-se das pressões por reembolso e da cultura corporativa que espera decisões de tratamentos baseadas em finanças.”

Tammany et al, 2019

Produtividade e Ética

Metas de produtividade: organizações na área da reabilitação frequentemente estabelecem metas (ou padrões) de produtividade onde clínicos devem produzir um dado número de unidades de tratamentos remunerados por unidade de tempo trabalhado (e.g. número de pacientes/hora).

Princípios Éticos: princípios éticos centrais na área da saúde incluem o respeito pela autonomia, princípios da beneficência e da não maleficência, e justiça.

Hipóteses do estudo

1. A frequência de comportamentos anti-éticos observados difere em relação ao tipo de serviço no qual o clinico atua (público, privado, hospitais, clinicas);

2. Clínicos que atuam em serviços que promovem metas de produtividade reportarão altas frequências de comportamentos anti-éticos observados comparados com clínicos que atuam em serviços que NÃO PROMOVEM metas de produtividade;

3. Haverá uma relação positiva entre os comportamentos anti-éticos observados e as características das metas de produtividade, como a dificuldade em atingir a meta e a taxa de produtividade esperada;

4. As taxas de comportamento anti-ético observadas serão negativamente correlacionadas com o nível no qual a organização enfatiza a prática baseada em evidencias (PBE) e a prática da ética.

Resultados

Clínicos em enfermarias especializadas (skilled nursing facility) observaram significativamente mais comportamentos anti-éticos (4.11 vezes mais – 95% CI, 3.45-4.91) que clínicos em outros serviços.

Houve uma correlação positiva, porém fraca, indicando que a medida que as expectativas de produtividade aumentam, também aumenta a taxa de comportamentos anti-éticos observados (p=0.225; 95% CI, 0.185-0.264; P<.0001).

A maioria dos clínicos (83.4%, n=2125) reportaram que as metas de produtividade influenciaram suas tomadas de decisão clínica. Clínicos com metas de produtividade exibiram valores significativamente maiores (tamanho de efeito pequeno, r=0.201; 95% CI, 0.169-0.232) de comportamento anti-éticos observados do que clínicos que não possuem metas de produtividade.

Houve uma relação positiva entre o total de comportamentos anti-éticos observados e duas variáveis: metas de produtividade percebidas como inapropriadas e o grau de dificuldade em atingir as metas de produtividade.

Organizações que enfatizaram produtividade ao invés da prática baseada em evidências (PBE) demonstram 6.01 vezes (95% CI, 4.03-8.95) mais chances de observar comportamentos anti-éticos quando comparadas à organizações que enfatizaram a PBE.

Organizações que enfatizaram a produtividade ao invés de tratamentos éticos foram 3.39 vezes (95% CI, 2.33-4.93) mais propensas a reportar comportamentos anti-éticos observado do que as organizações que enfatizaram o tratamento ético.

Assim sendo, a ênfase que a organização coloca em práticas éticas e na PBE correlaciona-se negativamente com o total de comportamento anti-ético observados. Quanto mais a prática ética e baseadas em evidências são estimuladas menos comportamentos anti-éticos são observados.

⚠️ Mensagens importantes

👉🏼 A cultura ética da empresa, clínica ou hospital pode ser um preditor de comportamentos anti-éticos em fisioterapia;

👉🏼 O uso de metas de produtividade está associado ao aumento de comportamentos anti-éticos observados;

👉🏼 Fisioterapeutas clínicos tendem a NÃO aderir à PBE porque isso difere das operações típicas do local de trabalho, mesmo quando há evidências de que a adesão à PBE melhora a eficiência dos tratamentos;

👉🏼 Comportamentos éticos aumentam quando os empregados são encorajados a focar em tarefas éticas (Locke & Latham, 2006);

👉🏼 A falta da ênfase organizacional (clínicas, hospitais, etc) em PBE e práticas éticas foram os MELHORES PREDITORES de comportamentos anti-éticos;

A cultura organizacional é o principal antecedente de comportamentos anti-éticos, e é também o componente mais fácil de mudar.”

Tammany et al, 2019

Escute o Fisio na Pauta Podcast – é a Fisioterapia na podosfera!


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *